segunda-feira, 12 de outubro de 2015

Teoria dos dois fatores de Herzberg

Herzberg e a criação da Teoria dos dois fatores




A Teoria dos dois fatores foi proposta por Frederick Herzberg, sendo publicada em seu livro “A Motivação para Trabalhar” (The Motivation to Work), com objetivo de entender os fatores que causariam a insatisfação e a satisfação no ambiente de trabalho.

Baseado em entrevistas com engenheiros e contadores, Frederick Herzberg identificou dois fatores que afetavam o indivíduo:

  • "Fatores motivadores", que geram motivação;
  • "Fatores higiênicos", que levam a insatisfação.

Os fatores motivacionais na teoria de Herzberg


Ou fatores intrínsecos, pois, estão diretamente ligados a natureza do cargo e a função desempenhada. A satisfação no cargo é função do conteúdo ou atividades desafiadoras. Incluem liberdade de decidir a execução do trabalho, uso pleno de habilidades pessoais, responsabilidade total pelo trabalho, definição de metas e objetivos relacionados ao trabalho e autoavaliação de desempenho.

Fatores higiênicos na teoria de Herzberg

A insatisfação no cargo é função do ambiente, do salário, da supervisão, dos colegas e do contexto geral do cargo. São fatores de contexto e  se situam no ambiente externo que cercam o indivíduo. Contudo, de acordo com as pesquisas de Herzberg, quando os fatores higiênicos são ótimos, eles apenas evitam a insatisfação. São fatores extrínsecos, pois estão diretamente ligados ao ambiente que cerca o funcionário.

Resumo da Teoria dos dois fatores:


Resumo da Teoria dos dois fatores

Conclusão da Teoria dos dois fatores


Frederick Herzberg concluiu que os fatores que levavam à insatisfação profissional nada tinham a ver com aqueles que influenciavam na produção de satisfação dos trabalhadores, ou seja, se os fatores que causam insatisfação fossem removidos do ambiente, apenas cessaria a insatisfação, mas, não traria a motivação.